Ele é charmoso, potente e foi considerado a sensação dos anos 80. Estamos falando do Passat pointer, o esportivo nacional que atraía a atenção de milhares de jovens brasileiros. Essa lenda automobilística merece destaque em nosso blog. Por isso, preparamos este post para que você conheça o veículo que marcou toda uma geração.


Quer aprender tudo sobre este clássico? Acompanhe a leitura do nosso artigo!

999


Quando foi lançado o Passat pointer?

Considerado o melhor conjunto mecânico fabricado no Brasil, o Passat GTS Pointer é um ícone da história automobilística. Foi lançado na década de 80 e se tornou um dos carros esportivos mais cobiçados do país. Charmoso, em 1984, recebeu o motor 1.8 e possuía versões que poderiam vir com teto solar e ar condicionado.Uma bela opção para quem não abria mão do conforto e queria ter um automóvel potente.

Quais as características do automóvel?

Bancos Recaro

Ainda em 1984, o Passat pointer ganhou bancos Recaro, conta-giros, câmbio de 5 marchas, manômetro de óleo e console com voltímetro.

Motor 1.8

O motor era o 1.8 a álcool e tinha uma potência máxima de 99 cavalos a 5600rpm. O câmbio não possuía over drive, mas contava com engates fáceis e precisos.

Suspensão firme e segura

Uma das suas principais características era a suspensão. Apesar de ter poucas modificações em relação ao modelo de 74, a suspensão do Passat pointer contava com grande firmeza e transmitia muita segurança ao motorista, principalmente nas curvas mais fechadas.

Amortecedores rígidos

Os amortecedores e as molas eram mais rígidos e isso sempre passou aos seus usuários uma ideia de um veículo esportivo de grande série.

Sistema de direção preciso

Um detalhe importante a ser observado é com relação ao sistema de direção. Sempre preciso, pneus de perfil 60 e freios super eficientes com tambor na traseira, duplo circuito diagonal e disco na dianteira.

Ar condicionado

Em relação ao acessório extra, o ar condicionado era uma novidade para os amantes do modelo. Uma opção para quem queria sair por aí curtindo uma boa viagem sem se preocupar com o calor.

Ótima posição para dirigir

Outra característica do veículo era em relação a posição de dirigir, que sempre foi considerada boa pela maioria dos amantes do automóvel. O banco do motorista possuía altura regulável, o que atraía a atenção dos jovens.

Painel com instrumentos salientes

E as novidades em relação ao veículo não pararam por aí. O painel de 1974 foi mantido, no entanto, contava com instrumentos salientes, design atualizado, mais completo e bem parecido com o Santana. No painel, entre os instrumentos, o motorista poderia observar a injeção de gasolina, o desembaçador do vidro traseiro e os interruptores de luzes. Também possuía dois grandes mostradores. Do lado esquerdo ficava o velocímetro com marcação de até 220 Km|h e do outro o conta-giros.

Melhor desempenho

Em relação ao desempenho, o Passat pointer  chegava a 172,2 Km|h, média de quatro passagens. Em 9,7 segundos, a aceleração podia chegar de 0 a 100km|h, um ótimo desempenho segundo seus admiradores.

Quem curte carros ou é proprietário de um, aprecia os veículos bem cuidados e com a pintura brilhando, não é mesmo? Mas você sabe qual é a melhor cera automotiva para cada tipo de veículo? Nesse post, você vai aprender como escolher a cera adequada para o seu automóvel. Ficou interessado no assunto? Então acompanhe nosso artigo!

02Pense na escolha da cera

A cera automotiva serve para proteger a pintura do seu carro contra os raios UV, dejetos de pássaros e contaminações industriais. Ela é um produto indispensável para manter o carro sempre bem cuidado. A cera garante mais brilho e facilita a limpeza da pintura. Além disso, ela repele a água e traz diversos outros benefícios. Por isso, antes de escolher a melhor cera automotiva, veja qual é o motivopara aplicá-la, isso fará uma grande diferença na escolha do produto.

Escolha a melhor cera automotiva de acordo com suas necessidades. Para cada carro, há um tipo de cera. Fique ligado em nossas dicas e escolha a melhor cera automotiva de acordo com suas necessidades:

1. Cera líquida

Possui menos solventes e por isso pode ser aplicada com mais frequência. Ela remove riscos mais superficiais e ajuda a proteger o verniz. A remoção do produto pode ser feita com microfibra e dá para usá-lo uma vez por mês. Além disso, você não gasta muito tempo para aplicá-lo. Leva apenas 40 minutos para passar em seu automóvel.

2. Cera em pasta

É uma cera mais forte. Ela serve para remover os riscos mais profundos do veículo, além de possuir mais solventes em sua composição. Você pode encontrar no mercado essas ceras em cores rosadas ou brancas. Para aplicar no automóvel, você deve usar esponjas próprias ou algodão, faça movimentos circulares. Aproveite a sombra e aplique o produto na carroceria fria do veículo. Em relação a quantidade de aplicações, a cera em pasta não deve ser usada com muita frequência, pois o solvente que há em sua fórmula pode remover o verniz do seu carro.

3. Cera de lava rápido

Essa é uma cera diferente das outras. Ela é considerada um aditivo que é misturado ao sabão para dar um brilho temporário ao carro. O produto tem algumas desvantagens, como por exemplo, não remove a sujeira, os riscos e se o carro não estiver encerado, ela não terá nenhum efeito. Para aplicá-la é necessário você ter cuidado. Ela deve ser utilizada na sombra, pois o sol forte pode manchar a pintura, principalmente se seu automóvel for de cor escura.

4. Cera em spray

Essa é considerada uma cera prática e rápida. Ela ajuda a repor a proteção da pintura. Porém, ela não tem os mesmos benefícios que as ceras líquidas, não remove a sujeira e nem os riscos. A cera em spray deve ser usada em carros previamente polidos ou encerados para que seu efeito seja satisfatório. Para aplicá-la, você gastará cerca de 10 minutos.

Observe a superfície que a cera será aplicada

Para escolher a melhor cera, observe a superfície que será aplicado o produto. Isso será importante para garantir o brilho do automóvel.

Preste atenção na cor do seu veículo

Além da superfície, aplique a cera levando em consideração a cor do seu automóvel. Isso fará toda a diferença no resultado final do processo. Para cada pintura, há um produto específico, e escolher a cera certa pode ajudar a conservar o brilho do seu carro. Listamos abaixo algumas ceras de acordo com as cores de cada carro. Veja:

Veículos com cores claras

Para as cores claras, a melhor cera automotiva é a selante que tenha carnaúba, um produto que garante uma proteção de até 8 meses e é ideal para veículos de cor prata, pois a pintura se torna ainda mais brilhante. No entanto, ela também pode ser utilizada em automóveis com cores escuras.

Automóveis com cores críticas ou escuras

Para os automóveis com cores críticas ou escuras, prefira ceras com propriedades de selante, pois ela realça ainda mais a cor. Outra vantagem é que o produto é fácil de aplicar e de retirar, e a proteção tem durabilidade de 1 a 2 meses. Além disso, essa é a cera indicada para quem deseja esconder aqueles riscos indesejáveis que aparecem nos carros escuros.

Carros de todas as cores

Para quem deseja manter o brilho e cuidar de qualquer tipo de pintura, também há a cera com flúor-polímero e carnaúba. Ela pode ser aplicada em veículos com cores escuras e claras. O produto oferece uma proteção de 15 a 20 lavagens, além de duração de até 2 meses. Agora que você já sabe como escolher a melhor cera automotiva para o seu carro, terá excelentes resultados na aplicação do produto. Siga as nossas dicas e tenha sempre a pintura do seu veículo brilhando!

Já usa alguma dessas ceras automotivas? Conte para nós nos comentários!

Previous Next

o tamanho da roda pode aumentar o consumo de combustivel do carro 760x507Rebaixar o assoalho, bem como colocar aerofólios e saiotes estão entre as alterações mais feitas nos carros de quem gosta de tuning. Outra forma de customização muito popular é mexer no tamanho da roda. Mas será que isso melhora o desempenho do veículo?

No post de hoje, você vai ver que o único efeito causado pelas rodas grandes no seu veículo é estético. No quesito performance, o resultado é totalmente contrário. Leia e entenda:

Por que consome mais?

De um modo geral, podemos dizer que os carros com rodas menores não atingem grandes velocidades, mas têm uma aceleração adequada. Em contrapartida, veículos com rodas maiores conseguem atingir velocidades mais altas, porém a aceleração fica prejudicada.

Só que esse prejuízo na aceleração é pouco sentido nos veículos mais potentes. Carros esportivos e veículos utilitários possuem rodas grandes, que ajudam no desempenho do motor. Porém, essa característica não pode ser usada para melhorar a performance dos carros comuns. Mas por quê?

Primeiramente, vamos partir de um conceito mecânico básico: a função da aceleração em um carro é injetar combustível no motor.

Pois bem, as rodas maiores precisam de uma forcinha a mais na aceleração para poderem girar. Por consequência, você pisa mais no pedal do acelerador, gastando mais combustível.

Por causa dessa força maior necessária, é comum vermos carros com esse tipo de modificação “morrerem” constantemente nas arrancadas, principalmente em morros.

Mas não dá para adaptar?

As montadoras ficam anos estudando a aerodinâmica dos veículos antes que eles sejam produzidos em série, ou seja: a melhor maneira para você dirigir o seu veículo com conforto, segurança e eficiência é mantê-lo com as características de fábrica.

Não é à toa que os carros com motores de até 2.0 possuem rodas de 13 a 15 polegadas. As rodas pequenas oferecem uma aceleração apropriada e melhor consumo de combustível nos veículos de motores fracos.

Além disso, para que as rodas maiores fiquem proporcionais e tenham mais estabilidade, elas também precisam ser largas. Com uma área maior dos pneus aderindo à pista, é preciso uma força maior para mover as rodas e, consequentemente, há um aumento no consumo de combustível.

Mais uma vez, pneus largos são justificáveis em carros potentes, mas acabam prejudicando o desempenho dos mais fracos.

Existem outros prejuízos?

Com rodas maiores, pode haver uma distorção entre o que é apontado no velocímetro e a realidade. Talvez você não saiba, mas a velocidade mostrada é calculada pelos giros das rodas do veículo.

Rodas grandes giram menos do que as pequenas para atingirem a mesma velocidade. Deu pra entender a confusão que isso pode causar em um velocímetro? Isso pode te prejudicar principalmente ao passar pelos radares.

Além disso, colocar rodas maiores aumenta a altura do veículo, podendo fazer com que ele perca equilíbrio e estabilidade. Fora isso, vimos que rodas maiores também são mais largas. E pneus largos demais deixam a direção dura.

Se, apesar de tudo, você ainda preza pela estética e quer colocar rodas maiores no seu carro, procure por pneus mais finos, pelo menos. Dessa forma você não altera tanto o diâmetro do conjunto roda/pneu, causando menos prejuízos.

E você? Já dirigiu algum veículo com o tamanho da roda alterado? Percebeu alguma diferença no consumo de combustível? Escreva aí nos comentários!